Existe uma grande diferença entre comer e se alimentar

Nosso corpo não é formado de calorias, mas sim de células que são formadas exclusivamente de nutrientes. Se não fornecermos os nutrientes que elas precisam para funcionar, nosso corpo impedirá as funções que dependem de tais nutrientes.

Mudança de comportamento alimentar do paciente na pandemia

A pandemia do COVID-19 trouxe muitas mudanças na rotina dos pacientes, acarretando em alterações significativas no comportamento alimentar. Pesquisas de mercado mostram as mudanças nesse comportamento, com foco no estilo de vida ligado à imunidade, saúde, exercício físico e convívio familiar.

Qual o papel de uma alimentação adequada e saudável durante a pandemia do coronavírus?

A função dos alimentos vai muito além de simplesmente nos manter saciados. Uma alimentação adequada e saudável garante uma boa nutrição e o funcionamento adequado de todo o corpo. Portanto, ela influencia, e muito, na saúde.

Alimentos in natura, como frutas, legumes, verduras, grãos diversos, oleaginosas, tubérculos, raízes, carnes e ovos, são saudáveis e excelentes fontes de fibras, de vitaminas, minerais e de vários compostos que são essenciais para a manutenção da saúde e a prevenção de muitas doenças. Inclusive aquelas que aumentam o risco de complicações do Coronavírus, como diabetes, hipertensão e obesidade.

“O momento em que vivemos também requer maiores cuidados com a alimentação, já que uma dieta equilibrada ajuda no funcionamento adequado de todo o corpo e aumenta as defesas”, reforçou a coordenadora da Nutrição do IMIP, Josemere Borba.

Por que não ultraprocessados?

Mais uma vez, os ultraprocessados não são uma opção para a saúde. Ao enfrentar uma pandemia, você precisa estar com as defesas do seu organismo em dia e nisso esses alimentos não podem ajudar. Uma dica de ouro é evitar comprá-los e deixá-los fora do alcance das mãos. Se não tiver em casa, você não irá consumi-los.

Uma dieta baseada em ultraprocessados, ou seja, rica em calorias, sal, açúcar, aditivos químicos, corantes, conservantes e gorduras, aumenta o risco de deficiência nutricional, além de estar associada ao desenvolvimento de doenças cardiovasculares, diabetes, obesidade e outras doenças crônicas, que podem agravar o quadro dos pacientes com Coronavírus.

A recomendação, então, é investir na aquisição de alimentos in natura e minimamente processados, que podem e devem ser usados como base das preparações culinárias caseiras.

Planejamento

Planejar as refeições contribui para a manutenção de uma rotina alimentar adequada e saudável, já que ter sempre uma comida de verdade ao alcance ajuda a evitar os ultraprocessados. Também é importante ficar atento em relação ao consumo excessivo de alimentos, ao comportamento sedentário e ao estresse emocional.

O Guia Alimentar para a População Brasileira, editado pelo Ministério da Saúde, traz orientações bastante práticas para cada uma das principais refeições (café da manhã, almoço e jantar), oferecendo dicas variadas que levam em consideração a cultura e características alimentares regionais.

Com informações do Portal Saúde Brasil do Ministério da Saúde*

Fonte: imip.org.br

 

Importante: Caso tenha restrições alimentares e dúvidas converse com seu Nutricionista..

Via Light Gourmet: Nutrição personalizada
.